Aviso legal:
Taxas por indicação

O Wizcase pode receber comissão de afiliados quando uma compra é feita usando nossos links. No entanto, isso não influencia no conteúdo das análises que publicamos ou nos produtos/serviços analisados. Nosso conteúdo pode incluir links diretos para adquirir produtos que fazem parte de programas de afiliados.

Propriedade

A Kape Technologies PLC, controladora do Wizcase, detém as marcas CyberGhost, ZenMate, Private Internet Access e Intego, que podem ser analisadas neste site.

Nossas análises

O Wizcase engloba análises escritas por nossos avaliadores da comunidade, baseadas na análise independente e profissional dos produtos pelos avaliadores.

Padrões de análise

Todas as análises publicadas no Wizcase atendem aos nossos rígidos padrões de análise para garantir que sejam baseadas em uma avaliação independente, honesta e profissional por parte do avaliador do produto/serviço. Tais padrões exigem que o avaliador considere as qualidades técnicas, características do produto e seu valor comercial para os usuários, o que pode afetar a classificação do produto no site.

50 Mulheres na Indústria da Tecnologia que Todo Homem Deveria Conhecer

Renata Vasconcelos Publicado por Renata Vasconcelos em novembro 17, 2020

A indústria da tecnologia é dominada pelos homens. Você provavelmente já ouviu falar de alguns nomes de peso, como Bill Gates, Jeff Bezos ou Mark Zuckerberg, mas talvez desconheça as “gurus tech” tão incríveis quanto esses gigantes do setor. Pesquisas apontam que quase 80% dos estudantes não conseguem nomear uma única mulher famosa trabalhando nessa área. Para solucionar esse problema, fizemos uma lista das 50 mulheres mais renomadas do meio tech que você deve conhecer!

Apesar da sua contribuição à indústria da tecnologia, inclusive em gigantes como o Google, Facebook e Apple — as mulheres não chegam a 30% de todos os funcionários. Embora equipes mistas estejam por trás de avanços tecnológicos como o smartphone ou os jogos pelo computador, as mulheres detêm míseros 25% dos cargos de liderança disponíveis.

Somente no campo das ciências da computação, uma distribuição mais balanceada entre homens e mulheres não é esperada até 2100, aproximadamente. Mas por que esperar 80 anos?

Essa lista é apenas uma pequena amostra das mulheres inovadoras, visionárias e fundadoras derrubando barreiras na indústria tech. Elas são a prova viva de que com perseverança, qualquer pessoa — independentemente do gênero — pode vencer nessa área.

Guia Rápido: 50 Mulheres na Indústria da Tecnologia que Todo Homem Deveria Conhecer

  1. Christine Spiten — Engenheira e Cofundadora da Blueye Robotics
  2. Melanie Perkins — CEO e Cofundadora do Canva
  3. Marissa Mayer — Executiva de TI e Cofundadora da Lumi Labs
  4. Charity Wanjiku — Cofundadora da Strauss Energy Ltd
  5. Pauline van Dongen — Designer de Moda Tech da Pauline van Dongen Studio
  6. Anita Schøll Brede — CEO e Cofundadora da Iris.AI
  7. Patricia Scanlon — CEO e Cofundadora da SoapBox Labs
  8. Helena Samsioe — CEO e Fundadora da GLOBHE Drones
  9. Tammarrian Rogers — Diretora de Engenharia da Snap Inc.
  10. Tal Rabin — Chefe do Grupo de Pesquisa de Criptografia no Thomas J. Watson Research Center da IBM
  11. Maru Nihoniho — Fundadora e Diretora Geral da Metia Interactive
  12. Funke Opeke — CEO e Fundadora da MainOne
  13. Neha Narkhede — Cofundadora da Confluent
  14. Katie Moussouris — CEO e Fundadora da Luta Security
  15. Komal Mangtani — Diretora Sênior e Chefe de Engenharia e Inteligência de Negócios do Uber
  16. Jean Liu — Presidente da Didi Chuxing
  17. Carol Shaw — Primeira Mulher Designer e Programadora de Games
  18. Megan Smith — CEO da shift7, Criadora do TechHire
  19. Leanne Kemp — Fundadora e CEO da Everledger
  20. Christy Wyatt — CEO da Absolute
  21. Marita Cheng — CEO e Fundadora da Aubot
  22. Susan Wojcicki — CEO do YouTube
  23. Jules Coleman — Cofundadora e Proprietária do Resi
  24. Jade le Maitre — Diretora Técnica e Cofundadora da Hease Robotics
  25. Karen Dolva — CEO e Cofundadora da No Isolation
  26. Eileen Burbidge — Cofundadora da Passion Capital
  27. Elina Berglund — CEO e Cofundadora do Natural Cycles
  28. Ginni Rometty — Presidente do Conselho, Presidente e CEO da IBM
  29. Ursula Burns — CEO da VEON, Conselheira Sênior da Teneo e Diretora (NED) da Diageo
  30. Angela Ahrendts — Vice-presidente Sênior da Apple
  31. Meg Whitman — CEO do Quibi, Membro do Conselho do Dropbox
  32. Safra Catz — CEO da Oracle Corporation
  33. Anne Wojcicki — CEO e Cofundadora da 23andme
  34. Whitney Wolfe Herd — Fundadora e CEO do Bumble
  35. Julia Hartz — CEO do EventBrite
  36. Stacy Brown-Philpot — CEO do TaskRabbit, Membro do Conselho da HP Inc. e Nordstrom
  37. Kathryn Parsons — Cofundadora e CoCEO da Decoded
  38. Sheryl Sandberg — COO do Facebook
  39. Jackie Hunter — CEO da BenevolentBio
  40. Amy Hood — CFO da Microsoft
  41. Hooi Ling Tan — Cofundadora e COO do Grab
  42. Lucy Peng — Cofundadora do Alibaba
  43. Lexi Reese — COO do Gusto
  44. Sara Klemens — COO da Twitch
  45. Francoise Brougher — COO do Pinterest
  46. Lisa Su — CEO da Advanced Micro Devices (AMD)
  47. Brie Code — CEO e Diretora Criativa do TRU LUV
  48. Stephanie Harvey — Desenvolvedora de Games da Ubisoft
  49. Belinda Johnson — Antiga COO do Airbnb
  50. Ruth Porat – CFO e SVP do Alphabet

As 50 Mulheres da Indústria Tech que Você Precisa Conhecer

1. Christine Spiten — Engenheira e Cofundadora da Blueye Robotics

Scheenshot of Christine Spiten standing outside looking into the distance.

Fonte da imagem: Nordic Labour Journal

Como cofundadora da Blueye Robotics, a Christine Spiten supervisiona o design, a criação e as vendas dos drones aquáticos controlados por celular. Os robôs da Blueye são projetados para mergulhar 150 metros no oceano com a finalidade de aumentar o nosso conhecimento sobre as belezas do fundo do mar, assim como sobre os perigos que a vida marinha enfrenta. A Christine quer utilizar o seu produto tanto como uma ferramenta de descoberta quanto como um instrumento para educar o público sobre os efeitos do aquecimento global.

2. Melanie Perkins — CEO e Cofundadora do Canva

Portrait of Melanie Perkins smiling at the camera.

Fonte da imagem: BBC.com

Entre as mulheres, a Melanie Perkins é uma das CEOs mais jovens do mundo. Com apenas 22 anos de idade, ela começou a capitanear sua própria startup no segmento tech, o Canva. A popular plataforma gratuita de design online é baseada na mesma tecnologia da Fusion Books, que a Melanie criou para ajudar na confecção dos anuários escolares dos seus colegas de classe. Graças ao seu estilo simples e facilidade de uso, o Canva é hoje amplamente utilizado no mundo inteiro, tanto para trabalhos comerciais como pessoais. No momento, o seu valor de mercado é de 1 bilhão de dólares.

3. Marissa Mayer — Executiva de TI e Cofundadora da Lumi Labs

Photo of Marrisa Mayer smiling at the camera.

Fonte da imagem: Observer

A Marissa Mayer é especialista em inteligência artificial, além de executiva de tecnologia da informação e cofundadora da Lumi Labs Suas principais conquistas incluem o design do layout da popular página de buscas do Google e o incrível crescimento do Yahoo! sob sua liderança. Quando a empresa foi vendida em 2017, a Marissa resolveu criar o seu próprio negócio, chamado de Lumi Labs. Ela tem várias patentes registradas em seu nome, tanto em design de interface como em IA. Seu nome já figurou na lista dos “40 com menos de 40” da Forbes.

4. Charity Wanjiku — CEO e Cofundadora da Strauss Energy Ltd

Portrait of Charity Wanjiku smiling at the camera.

Fonte da imagem: Forbes.com

A Charity Wanjiku é uma líder na indústria de energia renovável da África. Com o objetivo de reduzir a pobreza energética no Quênia, ela criou um sistema de energia solar inovador, que combina células solares com materiais tradicionais para a construção de telhados. As telhas Stima vêm equipadas com um medidor que mede a energia consumida e recicla a excedente de volta para a rede elétrica nacional. Elas evitam apagões e garantem contas mais baixas para os residentes da região. A ideia inovadora da Charity tem como meta eliminar a escassez de energia elétrica nas áreas rurais até 2030.

5. Pauline Van Dongen — Fundadora e Diretora Criativa da Pauline van Dongen Studio

Pauline Van Dongen

Fonte da imagem: Team Peter Sigter

A Pauline, que abriu seu primeiro estúdio quando tinha apenas 24 anos, é uma estilista atípica. Todos os seus projetos são equipados com tecnologia vestível. Dentre os seus modelos mais populares estão os cardigãs que medem os movimentos dos usuários mais idosos, regatas que corrigem a postura, e uma jaqueta que afaga as costas em resposta ao toque. Com suas ideias, a Pauline espera mostrar que você pode naturalizar a tecnologia e trazê-la para o seu dia a dia.

6. Anita Schjøll Brede — CEO e Cofundadora da Iris.AI

Portrait of Anita Schjoll Brede smiling directly at the camera.

Fonte da imagem: Team Peter Sigter

A Anita abriu sua empresa, a Iris.AI, como a primeira ferramenta de busca com tecnologia de inteligência artificial para deixar as pesquisas mais organizadas e produtivas. A startup nasceu quando a Anita descobriu que, devido à falta de métodos acessíveis e eficientes, equipes de pesquisa levavam aproximadamente 3 semanas criando uma lista de leitura. Desenvolvida para funcionar como um cérebro humano, a Iris.AI extrai palavras-chave e analisa a frequência de palavras em papers científicos. Graças ao seu algoritmo, ela é capaz de ler o trabalho publicado 90% mais rápido do que qualquer outro método de busca. Hoje, a Iris.AI é amplamente utilizada no mundo todo como uma ferramenta para pesquisas online.

7. Patricia Scanlon — CEO e Cofundadora da SoapBox Labs

Screenshot of Patricia Scanlon smiling at the camera.

Fonte da imagem: Team Peter Sigter

A Patricia trabalha com reconhecimento de fala e inteligência artificial há 20 anos. Em 2013, ela lançou a SoapBox Labs para poder desenvolver aplicativos para o reconhecimento de voz e fala com base em IA, e assim otimizar o aprendizado de idiomas infantil. Ela teve essa ideia quando percebeu a falta de produtos de IA voltados para a geração mais jovem. A SoapBox Labs conta atualmente com mais de 25.000 vozes de diferentes crianças em seu banco de dados, e cada um de seus dispositivos pode se adaptar às necessidades individuais de uma criança.

8. Helena Samsioe — CEO e Fundadora da GLOBHE Drones

Portrait of Helena Samsioe smiling.

Fonte da imagem: womenanddrones.com

Com sua ampla experiência em gestão de desastres, a Helena percebeu que o uso da tecnologia e de drones poderia ajudar pessoas expostas a condições de vida perigosas. Em 2015, ela lançou a GLOBHE — uma empresa de serviços de drone para fins humanitários. A startup utiliza os drones para analisar e compartilhar mapas entre os seus usuários ao redor do mundo, com o intuito de prevenir e responder a desastres mais rapidamente. Além das imagens aéreas das regiões afetadas por catástrofes naturais, a GLOBHE também usa drones para a entrega de remédios e ferramentas médicas onde eles são necessários.

9. Tammarrian Rogers — Diretora de Engenharia da Snap Inc.

Tammarrian Rogers — Director of Engineering at Snap Inc.

Fonte da imagem: Forbes.com

A Tammarrian Rogers tem mais de 30 anos de experiência no desenvolvimento de hardware e software. Atualmente, como chefe de engenharia na Snap Inc., ela supervisiona o design e o aprimoramento da qualidade de códigos. Além disso, ela é responsável pela usabilidade e eficácia do Snapchat, Spectacles e Bitmoji. A Tammarrian abriu o caminho para muitas outras mulheres negras na indústria, sendo ela mesma uma das primeiras a ser contratada por gigantes como a Microsoft e a Apple.

10. Tal Rabin — Chefe do Grupo de Pesquisa de Criptografia na IBM

Photo of Tal Rabin in a library.

Fonte da imagem: fromthegrapevine.com

Como engenheira, a Tal Rabin figura entre as 22 mulheres especialistas em tecnologia mais poderosas do mundo, de acordo com a Business Insider. Ela é responsável por desenvolver os algoritmos de criptografia mais eficientes e seguros utilizados no mundo inteiro. Seu objetivo é tornar a comunicação online mais segura para todos. Ela é a coautora de mais de 100 papers científicos que visam tornar a criptografia e a cibersegurança mais acessível para o público em geral.

11. Maru Nihoniho — Fundadora e Diretora Geral da Metia Interactive

Photo of Maru Nihoniho in a dark room.

Fonte da imagem: stuff.co.nz

Os videogames podem servir a um propósito maior do que o mero entretenimento, e essa é a principal razão por trás da startup da Maru, a Metia Interactive. A empresa projeta e desenvolve jogos online gratuitos voltados para o público jovem com problemas de saúde mental. Sua criação mais popular, o Sparx, ajuda os adolescentes a lidar com a depressão e ansiedade enquanto jogam, através de tarefas simples de Terapia Cognitiva Comportamental. Devido à importância e ao impacto do Sparx, a Maru levou o prêmio de Inovadora do Ano no Women Games Awards de 2017, evento promovido pela MCV Pacific e Xbox.

12. Funke Opeke — CEO e Fundadora da MainOne, Fundadora da Main Street Technologies

Funke Opeke — CEO of MainOne Cable Company, Founder of Main Street Technologies

Fonte da imagem: Forbes.com

A Funke Opeke é uma engenheira elétrica com mais de 20 anos de experiência trabalhando no setor de telecomunicações dos EUA. Quando a internet começava a tomar conta do mundo, ela voltou para a Nigéria e imediatamente percebeu sua conectividade lenta online. Ela lançou a MainOne (antiga Main One Cable Company) com o propósito de conectar o país e o resto do continente à internet. Depois de levantar a impressionante quantia de $240 milhões em financiamento, a Funke conseguiu instalar mais de 7.000km de cabos de conexão marítimos de alta capacidade. Suas ações impulsionaram a economia africana com o crescimento dos serviços bancários e de reservas online, além dos websites varejistas.

13. Neha Narkhede — Cofundadora da Confluent

Photo of Neha Narkhede in front of a dark wall.

Fonte da imagem: twitter.com

Crescendo num bairro de periferia na Índia, a Neha teve que trabalhar em dobro para deixar sua marca na indústria da tecnologia. Sua persistência e determinação levaram-na a cofundar aquela que é hoje umas das mais populares plataformas de streaming para o transporte de dados, a Confluent. O foco do site está no gerenciamento de dados em grande escala e em tempo real, utilizando o Apache Kafka — um software para processamento de streaming desenvolvido pela Neha. O seu código foi posteriormente aberto, permitindo que outras plataformas o utilizassem e aprimorassem. A Confluent está avaliada hoje em $2.5 bilhões, e conta com clientes do naipe da Netflix e Lyft.

14. Katie Moussouris — CEO e Fundadora da Luta Security

Screenshot of Katie Moussouris in a photography studio.

Fonte da imagem: thehill.com

A Katie Moussouris, uma especialista em cibersegurança e desenvolvedora de softwares autodidata, foi uma das primeiras mulheres a trabalhar na criação de programas de recompensas por bugs. Na Luta Security, ela presta consultoria sobre segurança online e exposição de vulnerabilidades para empresas e agências governamentais. Quando a Katie começava a trabalhar nos seus programas de caça a bugs na Microsoft, o seu talento chamou a atenção do Departamento de Defesa dos EUA, onde desenvolveu as iniciativas para hackers “Hackeie o Pentágono” e “Hackeie a Força Aérea” (em tradução livre). Em público, ela também é uma defensora ativa na luta por uma internet mais segura no mundo todo.

15. Komal Mangtani — Diretora Sênior e Chefe de Engenharia e Inteligência de Negócios do UBER

Portrait of Komal Mangtani smiling.

Fonte da imagem: Forbes.com

Como chefe de engenharia do Uber, a Komal Mangtani ajudou a empresa a alcançar os 5,5 milhões de usuários mensais e $11,3 bilhões de receita anual. Durante os seus 4 primeiros anos de Uber, ela criou diversas plataformas de negócios orientadas pelo aprendizado de máquina, melhorando os processos de pagamento, mecanismos de taxas e detecção de fraudes. Além de ser uma guru tech, a Komal também trabalhou para diminuir a diferença entre a participação feminina e masculina na indústria, certificando-se de que o Uber oferecesse uma variedade de posições para todos, independentemente de seu gênero ou cultura. Ela também é membro do conselho da organização “Mulheres que Codificam” (em inglês, Women Who Code), e doou $1,2 bilhões para outro projeto similar, a “Meninas que Codificam” (em inglês, Girls Who Code), para aumentar a diversidade nas ciências da computação.

16. Jean Liu — Presidente da Didi Chuxing

Studio portrait of Jean Liu smiling at the camera.

Fonte da imagem: fortune.com

Crescer profissionalmente na China não é uma tarefa fácil para uma mulher, mas isso não deteve a Jean Liu. Depois de uma carreira de sucesso na Goldman Sachs, ela se tornou a presidente da Didi Chuxing, a maior plataforma de transporte móvel do país. Seu aplicativo, o DiDi, atende atualmente mais de 400 milhões de usuários espalhados por 400 cidades do país. Animada com o sucesso do aplicativo na China, a Jean está agora trabalhando para expandir a empresa e ampliar o seu alcance no México e na América do Sul.

17. Carol Shaw — Primeira Mulher Designer e Desenvolvedora de Games

Screenshot of Carol Shaw smiling at the camera.

Fonte da imagem: youtube.com

Reconhecida como a primeira mulher a se tornar uma designer de games profissional, a Carol Shaw é um ícone dessa indústria. Ela desenvolveu alguns dos jogos retrô mais populares do Atari 2600, como o 3D Tic-Tac-Toe, Video Checkers, e River Raid — que é considerado uma obra de arte do Atari. A Carol se tornou rapidamente uma parte vital da empresa como a desenvolvedora da vez, em particular para tarefas de programação mais difíceis. Apesar de ter se aposentado há quase 20 anos, ela ainda é uma figura importante da indústria de videogames. Em 2017, ela foi recebeu o Prêmio de Ícone da Indústria no Game Awards.

18. Megan Smith — CEO da shift7

Photo of Megan Smith looking at the camera.

Fonte da imagem: politico.com

A Megan Smith é uma engenheira tecnológica premiada, responsável por tornar a internet amplamente disponível para o público em geral. No governo de Barack Obama, ela foi a primeira mulher a ocupar o cargo de COT (Diretora de Tecnologia), ajudando o ex-presidente dos EUA a compreender o poder dos dados online e a necessidade por inovação constante. Durante a sua passagem pelo governo Obama, a Megan abriu mais de 200.000 conjuntos de dados públicos em geral, como mapas e informações meteorológicas, e os disponibilizou online. Ela também se esforçou para tornar a indústria tech interessante e acessível através de várias iniciativas, incluindo o programa TechHire conduzido pelo governo norte-americano.

19. Leanne Kemp — Fundadora e CEO da Everledger

Leanne Kemp — Founder and CEO of Everledger

Fonte da imagem: ibmsystemsmag.com

A Everledger é uma startup criada e dirigida por uma engenheira autodidata, a Leanne Kemp. Juntamente com a sua equipe da Everledger, ela almeja aumentar a transparência dentro do valioso mercado de bens de luxo. A Leanne desenvolveu uma série de tecnologias, como blockchain, identificação por radiofrequência (RFID) e códigos data matrix utilizados por acionistas e parceiros da indústria para rastrear a jornada dos diamantes, das minas às lojas especializadas. Na luta contra a lavagem de dinheiro e fraudes em geral, ela pensa agora em expandir seus negócios para o rastreamento de vinhos finos, outras pedras e metais preciosos.

20. Christy Wyatt — CEO da Absolute

Screenshot of Christy Wyatt looking at the camera smiling.

Fonte da imagem: bizjournals.com

A Absolute Software Corporation desenvolve e vende softwares para o monitoramento e rastreamento global de computadores. O programa, desenvolvido pela CEO Christy Wyatt, está atualmente instalado em mais de meio bilhão de diferentes dispositivos espalhados por mais de 12.000 empresas ao redor do mundo. Graças ao seu software, diversos proprietários foram capazes de encontrar e recuperar laptops perdidos ou roubados. Agora, a Christy está conduzindo sua empresa à uma transição, passando de uma simples provedora de tecnologia de ‘acompanhamento e rastreamento’ para uma líder em segurança online.

21. Marita Cheng — CEO e Fundadora da Aubot

Marita Cheng — CEO and Founder of Aubot

Fonte da imagem: cairnspost.com.au

A Marita Cheng combina o seu interesse em robótica com um profundo desejo de ajudar aqueles em necessidade. Com o apoio de sua equipe na Aubot, ela desenvolveu e promoveu um robô de telepresença chamado Teleport para permitir a presença virtual de uma pessoa em um dado local. Com o Teleport, crianças em hospitais podem participar de aulas, pessoas com deficiências conseguem participar de tarefas no trabalho, e parentes e voluntários podem monitorar e socializar com os idosos. Além de estar à frente da Aubot, a Marita é a cofundadora do Aipoly — um aplicativo para smartphone que pode reconhecer e retransmitir objetos em tempo real para pessoas com deficiência visual.

22. Susan Wojcicki — CEO do YouTube

Portrait of Susan Wojcicki smiling at the camera.

Fonte da imagem: Female Founders Fund

A Susan Wojcicki é possivelmente um dos grandes nomes da indústria tech moderna. Sua carreira foi desenvolvida no Google, onde ela impulsionou o AdSense, rendendo à empresa o seu primeiro pagamento expressivo. A Susan também está por trás das transformações do icônico logo do Google de acordo com os feriados e eventos especiais. Encorajados pelo seu sucesso, ela convenceu os seus colegas a comprar o YouTube, que era apenas um pequeno, porém promissor website à época. Como CEO da plataforma de vídeos online, ela supervisionou a criação e o lançamento do YouTube Gaming, YouTubeTV e YouTube Music. A Susan é a responsável pela plataforma desde 2014.

23. Jules Coleman — Cofundadora do Resi

Photo of Jules Coleman in front of big glass doors.

Fonte da imagem: lookthebusiness.ie

A Jules Coleman teve a ideia de montar o seu negócio enquanto procurava por um projeto de renovação online para a sua nova casa. Sentindo-se cada vez mais frustrada com a dificuldade de avaliar o potencial de uma edificação com algumas poucas fotos, ela descobriu uma brecha no mercado para investidores como ela. Apesar de seu pouco conhecimento em programação, a Jules conseguiu lançar o Resi — o primeiro website que permite aos seus usuários projetarem uma casa online. O sucesso do Resi.com rendeu-lhe diversos prêmios na indústria tech, assim como o título de “Heroína da Internet”.

24. Jade le Maitre — Diretora Técnica e Cofundadora da Hease Robotics

Portrait of Jade le Maitre looking at the camera and smiling.

Fonte da imagem: Bizz & Buzz

A Jade le Maitre descobriu sua paixão no setor de comunicação científica durante o seu projeto de pesquisa sobre interações entre homem e máquina. A Hease Robotics foi fundada para aumentar a eficiência do trabalho desenvolvendo e fornecendo robôs autônomos para o atendimento ao cliente. Até hoje, a empresa fornece robôs para lojas, aeroportos, escritórios e museus na França. Dentre os seus clientes mais famosos estão a Total (uma empresa do setor de petróleo e gás natural) e a Leclerc. Há pouco tempo, a Jade criou um website juntamente com sua empresa, o Lyon-Is-AI, para promover opiniões positivas sobre robôs e inteligência artificial.

25. Karen Dolva — CEO e Cofundadora da No Isolation

Screenshot of Karen Dolva in front of a white bricked wall.

Fonte da imagem: wegate.eu

A Karen Dolva é a prova viva de que você não precisa ter muita experiência para começar um negócio bem-sucedido. Ela lançou a No Isolation logo depois de se formar como designer especialista em UX. Com o objetivo de reduzir o isolamento social em geral, ela tem trabalhado em tecnologias “reconfortantes” para que pessoas com dificuldades possam se manter conectadas. A Karen desenvolveu e criou um robô de telepresença chamado AV1 que é utilizado em hospitais e orfanatos para crianças com doenças crônicas. Ela também está por trás da invenção do KOMP — uma tela simplificada com um único botão que permite aos idosos participar de eventos sociais online.

26. Eileen Burbidge — Cofundadora da Passion Capital

Photo of Eileen Burbridge looking at the camera.

Fonte da imagem: standard.co.uk

Rainha do Capital de Risco da Grã-Bretanha (conforme descrito pela revista Fortune), a Eileen Burbidge está por trás do sucesso de muitas empresas de pequeno e médio porte, incluindo o Monzo Bank e Butternut Box. Sua ampla experiência ocupando posições de destaque no Skype, Sun, Apple e Yahoo! lhe permitiu enxergar o potencial em diversas startups. Com a Passion Capital, ela investe no crescimento de empreendimentos promissores, supervisionando-os de perto. Além disso, a Eileen ocupou o cargo de presidente da Tech City UK (atualmente, Tech Nation) para a Prefeitura de Londres, na Inglaterra.

27. Elina Berglund — CEO e Cofundadora do Natural Cycles

Screenshot of Elina Berglund sitting on a sofa.

Fonte da imagem: thriveglobal.com

A Elina Berglund começou sua carreira como física de partículas; porém, enquanto procurava por uma boa forma de contracepção natural, ela descobriu uma grande oportunidade no mercado. Motivada pelas suas observações, a Elina escreveu um algoritmo baseado no seu próprio ciclo menstrual, e criou um aplicativo chamado Natural Cycles que identifica a janela de fertilidade da usuária, exclusivamente com base na medição diária da temperatura corporal. O aplicativo conta hoje com quase um milhão de downloads na Google Play Store, e sua popularidade não para de crescer.

28. Ginni Rometty — Presidente do Conselho, Presidente e CEO da IBM

Ginni Rometty — Chairman, President, and CEO of IBM

Fonte da imagem: fortune.com

A Ginni Rometty passou um bom tempo sendo promovida dentro da IBM. Trabalhando desde 1981 nessa gigante da indústria tech como Presidente do Conselho, Presidente e CEO, responsável pela maior parte do crescimento da empresa, hoje ela atua como Presidente do Conselho Executivo. Liderando a IBM em meio a uma cadeia de mudanças importantes, incluindo a transição para um negócio de dados, a Ginni reinventou a cibersegurança, a tecnologia quântica e a inteligência artificial. Suas tentativas bem-sucedidas de adquirir a Red Hat, em 2018, fizeram da IBM uma das líderes na indústria de computação em nuvem. Juntamente com suas conquistas tecnológicas, ela reimaginou a cultura da força de trabalho da empresa, criando posições “sem colarinho” para funcionários sem um diploma em tecnologia.

29. Ursula Burns — CEO da VEON, Conselheira Sênior da Teneo e Diretora (NED) da Diageo

Portrait of Ursula Burns smiling at the camera.

Fonte da imagem: xerox.com

Ainda anos 80, quando a Ursula Burns dava os seus primeiros passos no mercado tech, não havia muitas oportunidades nessa área para mulheres negras. Obstinada, ela se comprometeu a subir profissionalmente na Xerox. Em 2009, a Ursula se tornou a primeira CEO negra dessa empresa líder em soluções de documentos. Reconhecida por seu vasto conhecimento e experiência, naquele mesmo ano ela foi convidada a liderar o programa nacional STEM da Casa Branca, onde atuou por 7 anos. Além da sua carreira bem-sucedida, a Ursula se tornou um símbolo importante para outras mulheres negras dentro e fora da indústria tech.

30. Angela Ahrendts — Vice-presidente Sênior da Apple

Screenshot of Angela Ahrendts sitting in a conference room.

Fonte da imagem: britannica.com

As pessoas tendem a associar a Apple com o nome de Steve Jobs, mas a empresa deve muito do seu sucesso à Angela Ahrendts. Apesar de sua inicial falta de interesse na indústria tech, ela rapidamente se encarregou de melhorar a experiência de compras do cliente nessa gigante da telefonia, trazendo a percepção de um processo mais “luxuoso”. Ela projetou esse visual hightech que as lojas da Apple que visitamos hoje têm. Em 2019, a Angela anunciou que deixaria a empresa para abraçar novos desafios em sua vida. Até hoje, ela foi a única mulher a ocupar uma posição tão alta na Apple.

31. Meg Whitman — CEO do Quibi

Portrait of Meg Whitman smiling at the camera.

Fonte da imagem: britannica.com

Depois de se formar em Economia, o nome de Meg Whitman ficou rapidamente conhecido na indústria tech. Embora tenha passado por várias grandes corporações na área de tecnologia no decorrer de sua carreira, ela é mais lembrada por liderar a divisão da Hewlett-Packard em duas firmas separadas, assim como por transformar o eBay numa empresa comerciante avaliada em $8 bilhões. Desde que se tornou a CEO do Quibi, uma plataforma de streaming exclusiva para dispositivos móveis, a Meg conseguiu assegurar um financiamento de mais de $1 bilhão de investidores como a Disney, Sony e Viacom. Ela também é a primeira funcionária mulher e CEO da startup que ela divulgou como a “Netflix móvel”.

32. Safra Catz — CEO da Oracle Corporation

Screenshot of Safra Katz talking on the stage.

Fonte da imagem: Forbes.com

A Safra Catz é a mulher CEO mais bem remunerada de qualquer empresa dos EUA. Depois de abandonar sua carreira como banqueira de investimentos em 1999, ela se juntou a uma empresa de tecnologia da computação, a Oracle. Seu potencial foi rapidamente reconhecido e em 2 anos ela foi convidada a participar do conselho diretor da empresa. Em 2014, a Safra se tornou a primeira co-CEO da Oracle. Ao lado do outro CEO, Mark Hurd, ela dirigiu o maior investimento da empresa até hoje, adquirindo o seu software rival, o PeopleSoft. Em 2019, a Safra assumiu sozinha a posição de CEO.

33. Anne Wojcicki — CEO da 23andme

Photo of Anne Wojcicki smiling.

Fonte da imagem: inc.com

Apesar de iniciar sua carreira profissional como uma analista de Wall Street, a Anne Wojcicki decidiu que aquele não era o caminho certo para ela. Em 2006, ela cofundou a 23andme, uma empresa de testes de DNA que verifica tanto as condições de saúde como a descendência do cliente. A quantidade de empresas similares no mercado não a desanimou, e a Anne trabalhou arduamente para fazer da 23andme o único serviço de testes genéticos a receber o aval da FDA para também fazer testes de saúde. Atualmente, ela lidera sua equipe na descoberta de um remédio para tratar certas enfermidades.

34. Whitney Wolfe Herd — Fundadora e CEO do Bumble

Screenshot of Whitney Wolfe Herd sitting on a sofa.

Fonta de imagem: topic.gr

A Whitney Wolfe Herd começou sua carreira como cofundadora do Tinder, onde foi responsável pela criação do famoso logotipo do aplicativo. Contando com a sua experiência, ela decidiu criar uma plataforma de relacionamentos com foco no empoderamento feminino. Apesar da falta de um feedback inicial mais animador, assim nasceu o Bumble — um aplicativo desenvolvido para dar maior controle à mulher na escolha de seus matches. O Bumble cresceu rapidamente, e a Whitney conseguiu até o seu lançamento bem-sucedido na Índia, onde muitos aplicativos similares não têm um bom desempenho. Aproveitando o sucesso da plataforma, ela também criou o BumbleBFF e BumbleBizz.

35. Julia Hartz — CEO do EventBrite

Portrait of Julia Hartz looking at the camera.

Fonte da imagem: eventbrite.co.uk

Durante o seu estágio na MTV, a Julia percebeu a falta da promoção de eventos locais online. Juntamente com o seu noivo, ela criou e fundou o EventBrite — uma plataforma tecnológica para eventos e emissão de entradas. O website cresceu num piscar de olhos e se tornou um dos sites mais populares para promover e vender vários eventos por toda a Califórnia. Depois desse enorme sucesso, a Julia assumiu o lugar de seu noivo como a CEO da empresa. Sob sua liderança, o EventBrite ampliou o seu alcance para mais de 170 países mundo afora e se tornou uma empresa premiada pelo seu ambiente de trabalho.

36. Stacy Brown-Philpot — CEO do TaskRabbit

Portrait of Stacy Brown-Philpot smiling at the camera.

Foto da imagem: nbcnews.com

A Stacy Brown-Philpot fez história como uma das primeiras funcionárias negras no Google, onde esteve à frente das vendas e operações online por quase 10 anos. Passando a CEO do TaskRabbit, ela planejou expandir a plataforma no mundo inteiro, e conseguiu dobrar o valor da empresa nos EUA e no Reino Unido. Conforme o aplicativo crescia em popularidade, a Stacy supervisionou a compra do TaskRabbit pela IKEA em 2017. Juntamente com suas conquistas como CEO, ela também é membro do conselho de várias empresas, incluindo a Nordstrom, HP Inc. e Black Girls Code.

37. Kathryn Parsons — Cofundadora e CoCEO da Decoded

Screenshot of Kathryn Parsons holding a laptop.

Fonte da imagem: standard.co.uk

A Kathryn Parsons lançou a Decoded em 2012, com o desafio de ensinar os seus usuários a codificar em apenas 1 dia. Desde então, a empresa cresceu e incluiu tópicos como cibersegurança, gerenciamento de dados e inteligência artificial. Com cursos em variados níveis de dificuldade, a Decoded tem oferecido aulas online para muitos gigantes da indústria tech, como o Google, eBay, Facebook, BBC, Microsoft e TalkTalk. Como uma reconhecida especialista do setor, a Kathryn também é membro dos conselhos consultivos do Primeiro Ministro inglês e do Prefeito de Londres.

38. Sheryl Sandberg — COO do Facebook

Portrait of Sheryl Sandberg smiling.

Fonte da imagem: about.fb.com

Como a primeira mulher a fazer parte do conselho de diretores do Facebook, a Sheryl Sandberg provou rapidamente que ela era a pessoa certa para o desafio. Ao permitir que pequenas empresas anunciassem na plataforma, ela não somente aumentou a receita do Facebook, como também a sua popularidade. Além disso, a Sheryl foi a primeira pessoa a reconhecer a necessidade de proteger a privacidade e a segurança dos usuários da plataforma, visando reduzir o seu impacto negativo na saúde mental. Apesar dos inúmeros escândalos ligados ao seu nome, ela ainda é uma das mulheres mais reconhecidas da indústria.

39. Jackie Hunter — CEO da BenevolentBio

Photo of Jackie Hunder looking at the camera.

Fonte da imagem: a-star.edu.sg

A BenevolentBio deve o aumento de sua eficiência à Jackie Hunter. Com base na sua longa experiência farmacêutica, ela modernizou a empresa ao combinar o desenvolvimento da medicina tradicional com a inteligência artificial. Essa nova abordagem, chamada de BenevolentAI, revolucionou a velocidade da criação de projetos para novos medicamentos. Agora como CEO, a Jackie é a responsável por supervisionar a correta aplicação da tecnologia BenevolentAI na empresa.

40. Amy Hood — CFO da Microsoft

Screenshot of Amy Hood laughing.

Fonte da imagem: financialexpress.com

Em 2002, a Amy Hood entrou para a Microsoft como chefe da Divisão de Negócios, com foco no aprimoramento do Microsoft Office 365. 11 anos mais tarde, ela se tornou a CFO da empresa. Desde então, a Amy liderou a Microsoft em mais de 57 aquisições bem-sucedidas, levando a um salto de quase 300% em suas ações. Com acordos estratégicos com o LinkedIn, Minecraft e GitHub, a empresa se tornou a maior negociadora da história. Mais recentemente, a Amy tem estado à frente do desenvolvimento da divisão de computação em nuvem da Microsoft.

41. Hooi Ling Tan — Cofundadora e COO do Grab

 Portrait of Hooi Ling Tan smiling at the camera.

Fonte da imagem: facebook.com

A falta de segurança nas corridas de taxi da Malásia é um grande problema, e a Hooi Ling Tan decidiu comprar essa briga. Ela está por trás daquela que é hoje considerada a startup mais valiosa do sudoeste asiático — um aplicativo móvel para transporte de taxi chamado Grab. Baseando sua ideia na tecnologia do Uber, ela trabalhou duro para aumentar a eficiência e a segurança para passageiros de toda a Malásia. A Hooi Ling Tan e seus parceiros comerciais também expandiram os seus negócios com a inclusão de recursos extras ao aplicativo, como o delivery de comida.

42. Lucy Peng — Cofundadora do Grupo Alibaba

Screenshot of Lucy Peng surrounded by flowers.

Fonte da imagem: fortune.com

A Lucy Peng é uma das pioneiras na indústria de compras online. Ao fundar sua empresa de e-commerce chamada de Grupo Alibaba, ela prestou serviços online para varejistas do mundo todo. Estes serviços permitiram às lojas vender os seus produtos através de portais na web e coletar pagamentos de maneira eletrônica. A Lucy também está por trás do desenvolvimento dos mecanismos de busca para compras, e serviços de computação em nuvem. Conforme o Grupo Alibaba crescia, ela foi colecionando uma série de cargos importantes na empresa. Em 2018, a Lucy deixou a posição de CEO da firma de e-commerce do Alibaba, a Lazada, para assumir o papel de presidente do conselho da empresa.

43. Lexi Reese — COO do Gusto

Portrait of Lexi Reese smiling.

Fonte da imagem: huffpost.com

Depois de aprender as artimanhas do negócio no Google, a Lexi Reese encontrou sua verdadeira paixão — ajudar as pequenas empresas nas suas empreitadas online. Ela desenvolveu um software baseado em nuvem chamado de Gusto para simplificar o gerenciamento do RH e da folha de pagamento. Sua empresa ajuda os pequenos negócios em tudo, desde estabelecer sua ética de trabalho, até o envio de cartas para novos funcionários e na gestão de impostos. O Gusto é considerado igualmente benéfico para empregados e empregadores, e é conhecido por facilitar um melhor relacionamento entre ambos. Graças à popularidade de seu software, a Lexi é hoje vista como uma das principais executivas mulher do Vale do Silício.

44. Sara Clemens — COO da Twitch

Screenshot of Sara Clemens at a red carpet event.

Fonte da imagem: thewrap.com

Twitch, a plataforma popular para streaming de jogos, recebeu um influxo de usuários quando a Sara Clemens se tornou a CEO da empresa. Ela viu um grande potencial, não apenas na companhia em si, mas também nos streamers que utilizavam o site. Como forma de retribuir aos gamers do Twitch, ela criou um Painel de Recompensas que permite aos usuários ganhar dinheiro anunciando certos produtos em suas transmissões. Muitos streamers populares da plataforma creditam o início de suas carreiras online à ideia revolucionária da Sara.

45. Francoise Brougher — COO do Pinterest

Portrait of Francoise Brougher smiling at the camera.

Fonte da imagem: thewrap.com

A Francoise Brougher ficou bem conhecida na indústria tech depois de se tornar a primeira COO do Google. Ela era responsável por liderar as equipes de operações e vendas globais, e assegurou o crescimento do website no atendimento ao cliente e marketing. Seu inegável sucesso levou o Pinterest a indicar a Francoise como sua primeira COO em 2018. Depois de sua chegada à plataforma de buscas visuais, ela trabalhou arduamente para desenvolver e otimizar a experiência do usuário. Para estabelecer a posição do Pinterest no mercado, a Francoise também supervisionou as operações de marketing, comunicações, vendas e parcerias com anunciantes no site.

46. Lisa Su — CEO e Presidente da Advanced Micro Devices (AMD)

Photograph of Lisa Su smiling.

Fonte da imagem: Forbes.com

Em 2015, quando a Lisa Su se tornou a CEO da AMD, a empresa de semicondutores já estava bem estabelecida no mercado, porém enfrentando dificuldades. Trabalhando nos pontos fortes da empresa em capacidade de produção, ela criou o RYZEN — um chip processador para computação de alta performance que iria finalmente permitir à AMD competir com suas rivais. Essa criação revolucionou a indústria de PCs ao melhorar o tempo de bateria e o desempenho geral do sistema em dispositivos utilizados tanto para games como para design. Em apenas alguns anos, o trabalho duro da Lisa aumentou a receita da AMD para $6,5 bilhões e posicionou a empresa no mercado de computadores.

47. Brie Code — CEO e Diretora Criativa do TRU LUV

Studio portrait of Brie Code looking at the camera.

Fonte da imagem: briecode.com

A Brie Code sempre se considerou uma apaixonada por inteligência artificial, trabalhando nesse campo desde o início de sua carreira. Essa paixão a levou a fundar o TRU LUV com o objetivo de criar um “companheiro” baseado em IA para smartphones. Seu primeiro aplicativo móvel, o #SelfCare, partiu da ideia de ajudar os usuários a relaxarem e ensinar técnicas de meditação. O aplicativo fez um sucesso tão grande que chegou à lista da Apple das melhores tendências de 2018 em menos de um ano.

48. Stephanie Harvey — Desenvolvedora de Games da Ubisoft

Screenshot of Stephanie Harvey standing in front of a cactus.

Fonte da imagem: The Garage – HP.com

A Stephanie Harvey não é apenas uma desenvolvedora de games na Ubisoft — ela também é uma gamer profissional. Aquilo que começou como um hobby terminou em diversos títulos por sua participação em campeonatos mundiais de jogos eletrônicos, culminando numa profissão de período integral. Agora, ela quer que outras mulheres sigam os seus passos, e está em constante campanha contra a discriminação de gênero na indústria de videogames. A Stephanie chegou até mesmo a cofundar uma comunidade online, a Missclicks, para chamar a atenção e informar sobre a falta de representação das mulheres no meio. Além de fazer campanha por uma maior diversidade de gêneros na indústria da tecnologia, ela continua a trabalhar como uma streamer na Twitch.

49. Belinda Johnson — Antiga COO do Airbnb

hoto of Belinda Johnson standing on a balcony.

Fonte da imagem: inews.co.uk

A indústria da tecnologia precisa tanto de advogados quanto de engenheiros, e a Belinda Johnson é uma das melhores nesse campo. Conhecida como a primeira pessoa a ocupar um cargo executivo no Airbnb, ela acompanhou o crescimento da empresa desde o seu início. Durante essa escalada, foram muitos os problemas legais e regulatórios, e a Belinda ajudou a encontrar soluções para diversos obstáculos comerciais. Apesar de deixar o cargo em 2018, ele nunca mais foi preenchido por qualquer outra pessoa. De acordo com o CEO do Airbnb, Brian Chesky, ninguém poderia sequer competir com o conhecimento especializado e o talento para liderar da Belinda.

50. Ruth Porat — CFO da Alphabet Inc., Google

Photo of Ruth Porat looking at something in the distance smiling.

Fonte da imagem: businessinsider.com

Há anos o nome de Ruth Porat, uma líder e investidora do mercado financeiro, aparece com frequência nas páginas de diversas revistas. Ao se juntar ao Google como sua CFO em 2015, ela melhorou o preço das ações da empresa ao colocar um plano financeiro rigoroso em ação. Reconhecendo os seus esforços, o Google indicou a Ruth como CFO de uma de suas subsidiárias, a Alphabet Inc. Ela ganhou diversos prêmios e títulos por suas habilidades como líder e por trabalhar muito bem sob pressão.

Por Que Há Menos Mulheres na Indústria Tech?

Em 1981, o número de formandas na área de tecnologia atingiu o seu ápice. No entanto, mesmo naquela época, as mulheres não somavam mais do que 37% de todos os estudantes. Desde então, a representação feminina entre os alunos formados nas disciplinas de exatas (Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática) estagnou. Em 2016, somente 35% dos graduandos em tecnologia nos EUA e no Canadá eram mulheres, enquanto que na União Europeia, elas representavam apenas 27% daqueles que se formaram nas áreas de exatas. Então, por que menos mulheres querem trabalhar no segmento de tecnologia?

O primeiro problema está na falta de informação nas escolas. De acordo com o Relatório das Mulheres na Área Tech da PWC, somente 63% das estudantes do ensino básico escolhem estudar disciplinas na área de exatas, comparado a 83% dos meninos. Apesar do desempenho das alunas ser igualmente bom nas aulas obrigatórias de matemática e ciências,  o campo de tecnologia continua dominado pelos meninos. Pesquisas qualitativas sugerem que as adolescentes são mais propensas a escolher seus cursos com base na percepção de seus pares.

Contudo, o problema dessa representação desbalanceada vai além da sala de aula. De acordo com um estudo conduzido pela McKinsey & Company, 40% das mulheres na área tech concordam que seus empregadores não oferecem oportunidades iguais para o desenvolvimento profissional. Ainda por cima, mais de 50% das funcionárias não acreditam que existam critérios justos e objetivos para a promoção dentro da empresa. A discrepância é refletida na desigualdade salarial entre homens e mulheres que trabalham no campo de exatas.

Um relatório da TrustRadius mostra que as mulheres empregadas no segmento da tecnologia ganham um salário menor, numa média de 94,6 centavos de dólar para cada 1 dólar que os seus colegas homens recebem trabalhando na mesma posição. Em seu paper, a Marianne Bertrand sugere que as mulheres estão mais inclinadas a aceitar uma compensação menor se isso significar que elas terão licença maternidade, horário flexível, e a opção de trabalhar de casa. Independentemente de aceitarem ou não salários menores em troca da flexibilidade, muito mais precisa ser feito para permitir que mães trabalhando na indústria tech possam balancear suas vidas pessoais e profissionais.

Como Eu Posso Encorajar as Mulheres a Seguirem Carreiras no Campo de Exatas?

De acordo com um estudo de 2018, as mulheres que trabalham na indústria tech influenciam muito mais meninas adolescentes do que os seus colegas homens influenciam os meninos adolescentes. Isso mostra que encontrar um modelo de sucesso feminino nesse meio pode causar um impacto enorme na decisão de uma adolescente de seguir uma carreira em tecnologia no futuro.

Apesar da grande falta de representação no segmento tech, ainda existem muitas profissionais bem-sucedidas abrindo o caminho para suas sucessoras. Elas lutaram, e ainda lutam por uma indústria mais inclusiva e diversa no mundo inteiro. Suas histórias, embora não exatamente populares na mídia, inspiram e mostram que com muito trabalho e determinação, as mulheres também podem vencer neste campo.

As adolescentes não são, porém, o único grupo demográfico que pode fazer uma diferença. Independentemente da idade, mulheres de todos os cantos do mundo podem seguir sua paixão por tecnologia. Hoje, a educação é acessível para qualquer um disposto a aprender uma nova habilidade. Onde há vontade, há sempre um jeito, e as mulheres sensacionais dessa lista lideram pelo exemplo.

Precisamos Promover a Diversidade na Indústria da Tecnologia

Apesar de haver muitos exemplos masculinos como profissionais bem-sucedidos, está claro que a indústria da tecnologia poderia se beneficiar do aumento da força de trabalho feminina. Sem pioneiras nessa área, nós não seríamos capazes de trabalhar de casa, encontrar um relacionamento pela internet ou utilizar a web.

Embora a indústria esteja lentamente começando a dar as boas-vindas à mão de obra feminina, tanto em posições hierárquicas mais baixas quanto mais elevadas, nós ainda temos um longo caminho pela frente antes que essa diferença desapareça.

Até lá, precisamos mostrar às gerações mais jovens as oportunidades disponíveis no meio de exatas. Com as 50 líderes inspiradoras dessa lista, podemos provar para as pessoas do mundo todo que a indústria da tecnologia pode ser conquistada por qualquer um — não importa a idade, o gênero ou a cultura.

Gostou desse artigo? Avalie!
Eu detestei Eu não gostei Achei razoável Muito bom! Eu adorei!
4.10 Votado por 3 usuários
Título
Comentar
Obrigado por seu feedback
Renata Vasconcelos
Renata Vasconcelos de Lima é pesquisadora de segurança cibernética formada pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Defende que a privacidade é um direito básico e que manter dados pessoais em segurança é algo que todos deveriam ter consciência.