A Rússia bloqueou 50 VPNs: quais ainda funcionam?

Last Updated by Gray Williams on maio 01, 2019

Vai viajar para a Rússia? Analisamos as melhores VPNs para determinar quais ainda funcionam no país.

RussiaEm abril de 2018, o governo russo anunciou que bloquearia 50 serviços de proxy e VPN para restringir o acesso do Telegram. Sem especificar exatamente quais VPNs foram bloqueadas, as autoridades aumentaram seu ataque aos provedores de VPN no país.

E, conforme as tensões entre o Telegram e o governo persistem, cada vez mais VPNs estão sendo bloqueadas na Rússia.

Qualquer serviço de VPN que tenha a capacidade de contornar as restrições do Telegram está sendo segmentado e bloqueado. Isso significa que muitos usuários em todo o mundo não conseguem se conectar a servidores na Rússia e são forçados a encontrar um provedor de VPN que funcione nesse território.

Por sorte, compilamos uma lista das três principais VPNs que ainda funcionam na Rússia e conseguem superar as restrições do governo.

A proibição do Telegram

A agência de telecomunicações russa Roscomnadzor bloqueou mais de 50 VPNs e proxies em uma tentativa de bloquear o acesso ao Telegram. Em abril de 2018, o governo russo solicitou que a Apple e a Google removessem o aplicativo de mensagens criptografadas Telegram, uma vez que ele não fornecia chaves de criptografia para agências russas, como o Serviço Federal de Segurança.

Telegram unblock vpn

Essas agências precisavam dessas chaves para acessar as mensagens do usuário para obter informações. Nem a Apple nem a Google comentaram se seguiriam o pedido do governo.

Desde então, o Telegram tentou evitar o governo movendo alguns de seus serviços para servidores host alternativos, mas não parece ter sido suficiente. Em retaliação, a Rússia bloqueou mais de 15,8 milhões de endereços IP que, por sua vez, afetaram serviços como jogos, varejo, bancos e outros.

Houve também outro problema: VPNs. Os principais provedores de VPN premium têm a capacidade de ignorar quase todos os sites, serviços e aplicativos bloqueados.

Como resultado, o governo russo deu um passo além e começou a proibir várias VPNs em uma tentativa de eliminar completamente esse problema, mas não divulgou quais.

Quais VPNs funcionam

Felizmente, as VPNs são incrivelmente resilientes e estão fazendo o melhor para manter sua presença na Rússia. Testamos inúmeros serviços de VPN para ver quais funcionam e quais não funcionam. Os parâmetros para esta lista são os seguintes:

  • A VPN deve ignorar o bloco russo.
  • A VPN deve permitir que você acesse o Telegram.
  • A VPN deve fornecer uma conexão forte e velocidades rápidas e confiáveis.

Aqui estão as nossas 3 melhores VPNs recomendadas que você pode usar na Rússia.

1ExpressVPN

ExpressVPN
Principais recursos:

  • Criptografia AES de 256 bits
  • Mais de 2.000 servidores em 148 locais, em 94 países
  • Velocidades impressionantes

A ExpressVPN é considerada uma das melhores VPNs do mundo. Primeiro, eles têm servidores disponíveis na Rússia que permitem que você ignore quaisquer restrições geográficas, especialmente o bloqueio que impede o acesso ao Telegram.

Além disso, a ExpressVPN não apenas protege seus dados com uma criptografia AES de 256 bits, mas também ajuda a manter o anonimato online completo através da política de não registro. A ExpressVPN não armazena informações ou registros de atividades que passam por seus servidores, incluindo nomes de usuários, senhas, histórico de pesquisa, etc.

Embora a ExpressVPN ofereça segurança completa, eles também mantêm velocidades inigualáveis. Durante os testes, o desempenho tem sido consistente e confiável em distâncias longas e curtas.

Como este serviço de VPN está disponível na maioria das plataformas, incluindo Windows, MacOS, iOS e Android, você não terá problemas para acessar o serviço de mensagens Telegram a partir de qualquer lugar do mundo.

Experimente agora sem riscos

2NordVPN

NordVPN
Principais recursos:

  • Criptografia AES de 256 bits
  • 5.144 servidores em 62 países
  • 25 servidores na Rússia

Outro grande provedor no mercado de VPNs, a NordVPN possui um nível inacreditável de segurança. Sua criptografia AES de 256 bits é usada pelos militares dos EUA, pela NSA e por muitas grandes corporações.

Além disso, a NordVPN oferece uma opção de VPN dupla que fornece o dobro da proteção, o que contribui para uma fortaleza de segurança impenetrável.

Ao usar a NordVPN, você pode facilmente ignorar o bloqueio de VPN da Rússia e acessar o Telegram. Existem mais de 60 países aos quais você pode se conectar, permitindo navegar e fazer stream de seu conteúdo favorito de todo o mundo.

A NordVPN está constantemente adicionando servidores à sua lista, tornando mais fácil para você navegar na Internet sem medo de ser detectado ou bloqueado.

Baixe agora

3CyberGhost VPN

CyberGhost VPN
Principais recursos:

  • Criptografia AES de 256 bits
  • Mais de 3.000 servidores em 60 países
  • Suporta até 7 dispositivos simultaneamente

A CyberGhost VPN é uma ótima VPN para quem quer acessar o Telegram. Eles possuem mais de 3.000 servidores em 60 países diferentes, para que você possa se conectar a um servidor em um local diferente e ignorar o conteúdo restrito geograficamente definido pelo governo russo.

Você também pode conectar até 7 dispositivos na mesma conta, para que não haja vulnerabilidades entre dispositivos se você optar por acessar seus dados em um laptop, telefone ou tablet. Isso significa que toda a sua família pode acessar o Telegram ao mesmo tempo.

A CyberGhost também oferece recursos avançados de segurança sob a forma de criptografia AES de 256 bits, alta velocidade e garantia de reembolso de 45 dias.

Experimente agora sem riscos

Conclusões

Independentemente de qual VPN escolher em nossa lista, você conseguirá ignorar os bloqueios russos e usar o Telegram. Além disso, você tem a capacidade de acessar uma variedade de conteúdo de todo o mundo com uma conexão completamente segura.

Com as VPNs listadas acima oferecendo um período de avaliação ou garantia de reembolso, por que não experimentar uma?

Gray Williams
Gray Williams é um experiente engenheiro de dados e comunicações, redator de conteúdo multiplataforma e editor com grande interesse em cibersegurança. Ele pesquisa e trabalha com VPNs e outras ferramentas de privacidade online há muitos anos.