Publicadores anônimos serão perseguidos no Brasil? Permaneça protegido online com este único truque

Última atualização por Gray Williams em outubro 07, 2019

Em 2017, foi aprovada no Brasil uma lei que restringe a liberdade de expressão à população online, a qual especificamente proíbe críticas anônimas nas redes sociais a candidatos políticos e representantes eleitos. No dia 5 de outubro de 2017, o congresso brasileiro aprovou uma lei que permite a partidos e candidatos exigir que qualquer conteúdo ofensivo ou difamatório de autoria de usuários anônimos seja excluído.

A lei afirma que as mídias sociais devem fornecer o nome, endereço, telefone e até mesmo o número de segurança social de autores anônimos para manter seus comentários online, tornando a realização de críticas online uma tarefa mais difícil do que registrar-se para votar.

A lei não menciona para onde as mídias sociais deverão enviar todas essas informações – o que sugere que o governo não espera que ninguém as envie – apenas para removê-las.

Se você é ativo nas mídias sociais no Brasil e deseja manter seu anonimato online intacto, existe uma solução garantida para deixá-lo distante dos olhares de qualquer fiscalizador que esteja atento aos campos de comentários e a plataformas como Facebook e Twitter.

Este artigo aborda a nova lei e o que pode ser feito para reduzir seus riscos durante a publicação de comentários online no Brasil.

A nova lei sobre comentários anônimos

O congressista brasileiro Aureo, do partido Solidariedade, introduziu a lei e afirmou às agências de notícias que seu objetivo seria melhorar a transparência online.

A liberdade de expressão está garantida, mas ela não pode ser anônima” , afirmou.

anonymousJornais, emissoras de TV, estações de rádio e revistas brasileiros foram contra a nova lei. Todas essas organizações contêm seções de comentários em seus noticiários online que são anônimas ou que exigem apenas um nome de usuário e e-mail para fazer uma publicação. Se os comentários passassem a ser restritos de forma que todos os usuários devessem fornecer dados pessoais completos, o desejo de comentar diminuiria consideravelmente.

Isso não apenas custaria aos consumidores de mídia sua liberdade de expressão, como também afetaria o tráfego desses sites, causando-lhes a perda de receitas com publicidade e prejudicando seus resultados finais.

Brazil flagOs meios de comunicação não são os únicos que estão contra essa lei. O diretor do Institute of Technology and Society no Brasil, Carlos Affonso Souza, afirmou em uma entrevista: “Essa lei transformará candidatos e partidos em juízes eleitorais, delegando-lhes poderes para remover da web qualquer conteúdo que considerarem ofensivos a si próprios”.

Não se sabe ao certo se as plataformas de mídias sociais no Brasil levarão essa lei a sério. O WhatsApp tem sido um problema notório para o governo brasileiro ao longo dos anos, recusando-se a fornecer seus metadados sobre usuários brasileiros – o que vem resultando em diversas restrições.

O receio implícito da maioria dos cidadãos em relação à nova lei é o de que, caso eles efetivamente forneçam seus dados completos, o que impediria os partidos políticos de fazer algum tipo de retaliação?

Permanecendo seguro online com VPNs

Se você é um cidadão brasileiro que deseja permanecer seguro enquanto publica comentários políticos ou de qualquer outro tipo online, a melhor maneira de fazer isso é usar uma rede virtual privada (VPN) ao se conectar. Um cliente de VPN pode ser baixado no dispositivo de sua escolha e usado para navegar anonimamente sem riscos de que quaisquer terceiros visualizem aquilo que você está enviando ou recebendo na internet.

Virtual Private Network (VPN)Quando ativado, o cliente de VPN permite que você pesquise um servidor localizado fora do seu país natal. Após selecionar uma opção, será formada uma conexão criptografada entre ambos os computadores. Quaisquer dados enviados ou recebidos através dessa conexão serão criptografados e não poderão ser visualizados por partes externas.

Quando você enviar solicitações a páginas web e sites, essas solicitações serão enviadas para o servidor remoto. Este, por sua vez, incorpora à sua solicitação um endereço IP representativo de seu próprio país de origem e a envia à internet. Quando você começar a visualizar itens ou baixar informações, elas serão primeiramente enviadas ao servidor remoto e criptografadas – e, então, enviadas à sua máquina através do túnel criptografado. Seu cliente de VPN decodificará as informações, permitindo que você as visualize.

As VPNs contam com funções de segurança embutidas, como o não registro de nenhum tipo de log que informe suas localizações na internet, o que é fundamental para você se defender contra a nova lei brasileira sobre comentários anônimos.

1. Private VPN


Se você está em busca de uma boa opção de VPN para segurança, considere o PrivateVPN. Ele possui uma rigorosa política antilogs e conta com criptografia de 2.048 bits.

 

Adquira agora

2. SaferVPN

SaferVPN
O SaferVPN disponibiliza um kill switch e está sediado em Israel, país que conta com rígidas leis de privacidade para proteger contra táticas como a nova legislação brasileira.

Adquira agora

3. IPVanish

IPVanish
O IPVanish também é excelente em segurança, com mais de 1.000 servidores espalhados por 60 países, além de criptografia AES de 256 bits.

Adquira agora

Gray Williams
Gray Williams é um experiente engenheiro de dados e comunicações, redator de conteúdo multiplataforma e editor com grande interesse em cibersegurança. Ele pesquisa e trabalha com VPNs e outras ferramentas de privacidade online há muitos anos.